Rio Senna, Paris/França - Janeiro, 2010

domingo, 20 de março de 2011

Hey queen, I'm here! - Parte final

             Antes de fechar com grau alcoólico elevado a odisseia londrina, quero anunciar que já tem nova presepada à vista: No próximo dia 2 de Abril vou para a Alemanha e permanecerei em Berlim, num total 5 dias viajando. Já comprei um walking tour de 3 horas e meia sobre o 3º Reich que com certeza vai dar o que falar neste nosso recurso de comunicação. A preparação ainda não começou a ser feita com toda a idiossincrasia que merece vindo de mim, mas já dá sinais que vai dar mais trabalho planejar algo em deutsch!

The week...end!

             Do final de semana em Londres, posso tirar de emocionante para compartilhar: As atividades culturais relacionadas à gastronomia mundial e uma festa estranha com intercambistas esquisitos das seguintes nacionalidades: Brasileiros, espanhóis, ingleses, franceses, italianos, russos, chineses e japoneses. Brasileiras lógico, eu e Bruna Vellasco.

Portobello Road

             A Portobello Road é uma longa rua no bairro de Nothing Hill que abriga comércios, artistas, variedades gastronômicas e... muita gente! É conhecido também pela variedade de antiguidades que são expostas e como Portobello Market pois é bem propício às compras: Comprar aqueles presentes para os queridos e uma infinidade de coisas que você não poderia imaginar. Coloquei um hiperlink no Portobello Road acima já que os comerciantes são associados e têm um site, caso se interessem. Segundo eu li, a feira com a qual me deparei, só acontece aos Sábados, mas o comércio são 6 dias por semana. (Quando fui, decidi ir no Sábado por aconselhamento de um dos guias que li onde há sugestões de passeios típicos para cada dia).
             Senti-me na Feira Hippie de Belo Horizonte (que de Hippie não tem nada, mas isso são outros quinhentos!). Aquelas compras todas e as delícias dominicais sagradas para quem vai. Ainda me sentindo um pouco familiar nesse aspecto belorizontino, encontramos, eu e minha fiel companheira de ousadias, um lado "Oiapoque" na Portobello Road. Maquiagem da MAC à preço de banana! Explico aos meus amigos de fora de BH que "Oiapoque" é um shopping popular em Belo Horizonte, construído para retirar os camelôs das ruas e a mercadoria comprada aí é muito barata.

"Um lugar chamado Nothing Hill"

Artistas de rua

 
Tal qual no filme "Um lugar chamado Nothing Hill", o lugar é simpático mesmo, cheio de casas fofas e coloridas.

Crownded!
 


"Pink e Cérebro"



             Na foto acima, estamos comendo um quitute que devia estar muito ruim pelas nossas caras. rs. Recomendo a todos na oportunidade de estar em Londres. Não sei o nome! rs É um wrap (embrulhado) de camarão. Camarão, assim, aquele bonito, feito cheio de temperos e exalando um cheiro maravilhoso! O wrap é feito da mesma maneira como o durüm kebab (sanduíche turco muito conhecido entre os intercambistas por ser barato. Particularmente sou apaixonada!) com alface cortadinha, um molho picante e uma maionese temperada . 4 pounds, e dá pra dividir no meio e comer de dois!
             Depois de ser feliz em Nothing Hill, fui sozinha pegar qualquer ônibus que me desse na telha e fazer um sightseeing mais barato que o convencional. A idéia era desfrutar de um passeio de sonho infantil no segundo andar dos típicos ônibus de Londres. Não tenho idéia de onde cheguei, fui até o ponto final, desfrutei de um parque e depois voltei no mesmo ônibus para a Oxford Street. Ouvi que já pensaram em retirar esses ônibus das ruas, mas desistiram porque já é um dos ícones da cidade da rainha Elizabeth.
 
 
 
 
             Já que a "ousadia é non stop" ( by Bruna) e é de conhecimento que a maioria das pessoas espera alguma coisa de um Sábado à noite... eu não sou diferente! Ainda mais quando o lugar também é diferente. Fiz mil planos de ir em uma badalada boate chamada Ministry of Sound , mas não tenho nada a declarar já que fui parar em uma festa estranha com gente esquisita levada pela fiel companheira, que como graduanda em Direito, sabe beeeeem como induzir ao erro. (Gargalhadas) E festa de intercambista, segue o mesmo ritmo de festas de acadêmicos que ainda não possuem de muitos recursos financeiros: Cada um leva o que vai beber, o que vai comer. E é lógico que eu tive problema com um folgado que chegou sem o seu! O meliante tascou a mão em uma das minhas garrafas de Cabernet-Sauvignon comprada na medida para ficar no auge. O fim dessa parte? Recuperei a minha garrafa na maior cara de pau tanto quanto a do individuo. Aaaaah, eu sou assim gente, eu levo o que vou beber mesmo! Se rola uma permuta, a gente vê na hora!
            A festa foi bem animada, o álcool de fato age como lubrificante social e interagimos mais com as francesas simpáticas, as russas frenéticas e os italianos saidinhos (óbvio, a galera não pode ver uma brazuca que se assanha!). Resultado:
 


Domingo, sem sombra de dúvidas, foi um dia de ressaca, mas nem por isso deixamos de ousar! Fomos a outro lugar, desfrutamos da parte essencialmente gastronômica e altamente recomendável:  Camden Town, especificamente no Camden Lock Place.


 
 
           Nesse lugar, é possível degustar uma grande variedade de pratos típicos de países diversos a preços moderados. O mais interessante que percebi, ao menos nas tendas asiáticas, foi que os atendentes ficam com um garfo na mão para atrair o passante a degustar gratuitamente. "É cilada, Bino!" ha-ha-ha Ao degustar, começam a tentar te vender por 4 pounds uma espécie de marmitex com variados pratos. Não adianta tentar dar desculpa que está just looking, eles vão abaixar o preço e vão tentar de uma maneira desesperadora que você leve! Me convenceram a comprar por 2 pounds. Comida regada e saborosíssima! Portanto, no Camden Lock Place, haja como se estivesse com turcos e pechinche! Fica a dica!
 



             Por curiosidade, procurei uma tenda de comida brasileira e a encontrei! Os nossos pratos típicos? Arroz, feijão preto, brigadeiro e coxinha de catupiry. E tava tocando Engenheiros do Hawaii! rs
Empanturrada como já se podia prever, o final do Domingo foi curtindo uma "siesta" com ressaca e preparando para o retorno à Barcelona na Segunda-feira.
A última imagem de Londres foi registrada assim- eu e minha mala - jogadas ao sol :



See you na presepada germânica!

 
 

domingo, 13 de março de 2011

Hey queen, I'm here! - Parte III

             Não se preocupem meus caros amigos, vocês não perderam nada enquanto estavam presepando em Diamantina, Ouro Preto, Salvador, Rio de Janeiro ou sabe lá que canto do Brasil vocês resolveram presepar no Carnaval. Não atualizei no Domingo passado, porque né, também é Carnaval em Barcelona. Nada demais, não fiz folia, não vai ter post antropológico-carnavalesco-hispânico. Fiquei em casa mesmo e de recesso criativo. Porém, como vocês podem perceber, o blog tá de cara nova! Não sou master nessas coisas, acho que vou até pedir a algum amigo da Comunicação Social (hein, Michell Maurício...) caso queira se oferecer para "assinar" (Óia que chique!) meu blog com um layout personalizado, super aceito!
             Antes de retomar a minha presepada londrina (Já repararam que sempre tenho que fazer comentários que de alta relevância antes de começar o post, né?!) quero dizer que para os amigos que não gostam de comentar, mas que eu sei que de outra forma podem manifestar a assiduidade no blog criei.. tchan tchan tchan ... as opções "curti" (assim como no Facebook!) "achei útil" e "rachei os bico".
             A galera mineira entende o que é "rachar os bico" e para os meus demais amigos brasileiros que não, isso quer dizer: "ri pá caralho" (bem carioca isso, não?! Enfim... acho que todo mundo entendeu.).
           Tudo isso porque: Meu blog tem como função além de informar às quantas eu ando e quantos (kilômetros) ando, vocês têm que ou curtir ou achar útil ou rachar os bico, se não cumprir um desses 3 pelo menos... desisto da vida! Combinado?

            Então, simbora pro post, fé em Deus e pé na estrada!

11 de Fevereiro, Sexta-feira, 3º dia em Londres

            Na manhã do meu 3º dia em Londres, eu já me sentia mais à vontade. Uma espécie de sensação de linha de conforto, sabe? Posso dizer que foi meu dia mais atrevido na cidade. Eu andei muito! Para este dia, já tinha estabelecido que a prioridade seria ver a troca de guardas da rainha no Palácio de Buckingham. Já sabia qual caminho fazer, então foi bem mais tranquilo.
            Como estudante de Turismo aplicado é aquele ousado e que se mete em presepada, depois de tomar meu delicioso e econômico café da manhã a 2 pounds no Subway, entrar no Kensington Gardens e alugar uma bicicleta ao lado do Hyde Park, quase levei uma multa por andar de bicicleta em local proibido. Como? Lá ia Renata feliz e contente andando de bike pelo passeio do Hyde Park pelo lado de fora, cabelos esvoaçantes como em comercial da L'oreal, até que percebi que ninguém fazia o mesmo. Parei, pedi informação e me disseram: "Se te pegam, são 50 pounds!". Eu queria até passar umas dicas úteis de como andar de bicicleta em Londres, mas eu mesma acho confuso, eu não ando de bicicleta entre carros e ônibus no Brasil, em Londres isso é o permitido. Porém, já deixo o site aqui da Barclays Cycle Hire para quem estiver interessado. Tirando o que eu fiz, garanto a vocês que é uma delícia andar de bibicleta por Londres!

A troca de guardas

             Como mencionei no post anterior, no inverno a troca de guardas ocorre em dias alternados. Sempre às 11h da manhã e é uma cerimônia mesmo! Dura cerca de uma hora e meia (Sei, porque né, minha pontualidade clássica fez eu chegar ao meio-dia!). Ao chegar no Wellington Arch que fica na entrada do Green Park, me deparei com uma cena rara no meu cotidiano:





Não sei contar o que são esses cavalos e esses homens. Creio que fazem parte do protocolo da troca de guardas.
No Green Park e em frente ao Palácio de Buckingham, uma multidão a espera da célebre troca de guardas.

Policiais fazendo a cobertura da troca de guardas.


A "magrela" que eu arrumei por lá


O que era pra ser só uma troca de guardas, o protocolo britânico atrai milhares de pessoas (e eu!) para presenciar esse momento. Segue abaixo um video (amador) que gravei na minha câmera (mais amadora ainda!):





Depois dessa "pompa" toda, continuei fazendo o trajeto do dia anterior, passando pelo Big Ben, pelas Casas do Parlamento, cruzando a Westminster Bridge e fui conferir bem de perto o London Eye. Não, eu não subi na roda gigante porque é caro, aguardarei outra oportunidade quando estiver melhor de grana para fazê-lo!

Pior parte de viajar sozinha é para tirar fotos!

             Depois de uma sessão narcisista de fotos à beira do Rio Thames, segui pela margem para ver onde que dava, e de onde desse, eu ia partir para a Tower Bridge - outro marco da capital inglesa. Nesse momento, foi uma péssima idéia estar de bicicleta porque em nenhum momento eu estava segura se podia ou não montar!
            Quando Humberto Gessinger e sua troupe dos Engenheiros do Hawaii dizem na consagrada música "O papa é pop" : "Toda catedral é populista, é pop, é macumba pra turista", eu, com livre interpretação, como futura bacharel em Turismo faço idéia de que a "macumba pra turista" nada mais são que os recursos que acabam sendo criados para ou incorporados ao setor turístico. Por exemplo, castelos pela Europa não foram construidos para esse fim, mas por fim, acabam servindo a atividade turística. Por outro lado, há atrativos que são desenvolvidos com fim turístico, pra chamar a atenção do viajante!

A foto abaixo é o que eu entendo por "macumba pra turista":

Jogue uma moeda e faça um pedido!

Tá, jogue uma moeda e faça um pedido. Qual é a lenda - geralmente sempre tem uma - por trás disso?
Na verdade, aqui, nenhuma, só uns caras super criativos, criaram uma macumba pra turista e isso, de fato, os diverte. Eu até fiz o meu!
Gostaria de encontrar a história desses caras para contar aqui no blog - porque deve ter né? - mas não encontrei.

Beach Boys Southbank

Passada uma certa altura do Rio Thames, cheguei a uma parte de Londres que é chamada The city of London onde é o vulgo "centrão".
A magrela ainda seguia comigo nesse momento quando registrei a imagem da Sant Paul's Cathedral, onde casou a princesa Diana com o príncipe Charles:

 



             Segui, finalmente, ao lugar mais lindo de Londres na minha opinião. Lindo assim, é a magnitude o lugar. Cruzei a Tower Bridge de bicicleta na maior adrenalina no meio de carros e caminhões (não é ilegal, mas para mim era assutador fazer aquilo!). Parei várias vezes no meio da ponte pra tirar fotos e já tinha até imaginado a desculpa que ia dar a polícia caso me parassem e me chamassem a atenção. Aaaaah! A desculpa? Ué, eu ia dizer que tive uma dor na perna insuportável e por isso tive que parar. ha-ha-ha Podem rir.

Tower Bridge







             À essa altura do campeonato, já tava cansada da magrela e a devolvi assim que virei a Tower Bridge Road. Caminhei feliz e cansada de volta para onde eu vim. A minha última atividade turística do dia foi a visita ao Bank of England Museum - de graça e não pode tirar fotos - onde ilustra diversos acontecimentos relacionados ao mundo financeiro. O jantar desse dia? Bem, me dei ao "luxo" de comer em um buffet livre de comida asiática por 5,99 pounds na Queensway Street. Essa rua, by the way, tem muitos restaurantes asiáticos.
 
 
Fim da semana vem o que? O fim DE semana, desta vez acompanhado da belorizontina já conhecida de outras presepadas, tão perdida em Londres quanto eu. Aguardem o próximo post!
 
PS:  Pedro, ainda não consegui colocar a trilha sonora!